Estrofe MC lança agora seu primeiro trabalho digital

Estrofe MC lança agora seu primeiro trabalho digital
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O EP CatasTroffico chega com mensagens fortes e maturidade lírica, marcando um novo passo na carreira do jovem MC.

O EP que recebe o nome de “CatasTroffico” é um novo passo na carreira do artista. Cria de batalhas de rima no interior paulista, Estrofe MC vem mostrando a potência dos artistas locais e alertando a juventude com suas
experiências.

Resultado de uma imersão pessoal após um trabalho que foi disponibilizado apenas em formato físico, o seu primeiro lançamento digital será disponibilizado primeiramente no ​canal do artista no youtube​, nesta ​quarta-feira​(03), ao 12h.

Diferente de tudo o que já fez, “​CatasTroffico” carrega em cada letra das 7 faixas do EP toda a essência do artista, que mergulhou nas experiências, vivências e construções já realizadas em seus poucos anos de vida.

“CatasTroffico exatamente por isso, aquele do primeiro trabalho já mudou, é outra pessoa, e tudo o que eu construí como certeza, eu destruí nesse EP.”, diz Estrofe MC.

O que vemos é um trabalho que afirma o lugar do MC na cena, apresentando maturidade lírica, sagacidade nas rimas, consciência política, curtição de rua e um bom bate-cabeça.

“CatasTroffico” também marca o nascimento do personagem Troff, alter ego do artista. “É como se estrofe, fosse o anjinho do bem e o Troff, o anjinho do mal” afirma, e evidencia a potência da cena hip hop no interior paulista.

O artista afirma que a motivação foi pura liberdade de querer expressar, de querer pôr pra fora todas essas experiências e a própria evolução como mc, “porque a arte muda, a forma de fazer música muda”​ afirma.

Recentemente, o MC antecipou uma das faixas presentes no EP.
“MeiaHoraDTumulto”​, denúncia as diversas violências que sofremos ao decorrer dos anos e vem em resposta às manifestações que estão acontecendo no país e no mundo, frente ao assassinato de negros e negras por policiais e ao genocídio histórico que parte do Estado à população negra.

“Sendo negro, me sinto frágil, me sinto alvo e com medo. Sinto ódio e fúria ao mesmo tempo. O rap tá aí, alertando desde sempre. É a nossa voz e parte da nossa cultura, é nosso papel nos posicionar, lutar e denunciar esse genocídio, são os nossos que estão morrendo todos os dias.”, finaliza o rapper.

Anúncio