Negra Li, Lary e Ananda se unem a vozes femininas do rap em “Me Deixa Ir”

Negra Li, Lary e Ananda se unem a vozes femininas do rap em “Me Deixa Ir”

Lançamento de Rap, Rap Nacional

A faixa faz parte do Projeto Rimar, que já no primeiro lançamento contou com a participação do PK.

Negra Li, Lary, Ananda, Mariana Mello e Liliam são o quinteto de mulheres responsável por dar voz a faixa “Me Deixa Ir”, parte do Projeto Rimar, que chega ao seu segundo lançamento, nesta quarta-feira (8). Com autenticidade e muita inovação, o projeto leva grandes artistas para um estúdio em alto mar e, em um único dia, eles participam de todo o processo de criação e gravação da música.

“‘Me deixa ir’ é um grito de liberdade. É dar adeus ao que fere e finge que faz bem. Espero que inspire muitas mulheres a fazerem o mesmo. O processo criativo e a convivência foram muito especiais pra gente. Uma honra estar ao lado de mulheres tão empoderadas e livres. Trabalhar com quem você admira, sem dúvidas é outro esquema. É um trampo que me orgulha muito, por cada pedacinho dele. Muita gratidão por esse encontro, por esse convite, por esse som.” Conta, Ananda, dona do hit “Quero Que Tu Vá”.

“Fiquei muito feliz pelo convite pra participar do Projeto Rimar. Gravamos a música e o clipe no mesmo dia e dentro de um iate! Um privilégio fazer parte desse som ao lado de tantas mulheres maravilhosas. O resultado me deixou muito feliz. A Negra Li é uma parceira de longa data, desde quando lançamos ‘Se Joga’, uma música que fala sobre seguir em frente, empatia e sororidade. Ela representa muito pra mim. Foi muito especial” Completa, Lary.

Juntas, Negra Li, Lary, Ananda e Mariana Mello acumulam mais de 100 milhões de plays, e engrandecem o debut da Liliam na música: “O Projeto Rimar e “Me Deixa Ir” vieram como um divisor de águas na minha vida. Nem nos meus melhores sonhos eu poderia imaginar estar ao lado de mulheres que são minhas ídolas mostrando pela primeira vez minha arte pro mundo.” Conta, Liliam.

“‘Me deixa ir’ fala sobre liberdade, força, mandar embora tudo aquilo que nos faz mal. Quando mulheres se unem, são mais fortes!” Conclui, Negra Li.